skip to Main Content

mothers2mothers Launches in Angola

EM PORTUGUÊS

Today, mothers2mothers (m2m) is proud to announce that we are commencing operations in Angola, with a mandate to help reduce the country’s rate of mother-to-child transmission of HIV (MTCT)—estimated in 2017 to be the second-highest in the world. This exciting development extends our footprint to nine countries in sub-Saharan Africa.

Our work in Angola is being funded by the U.S. President’s Emergency Plan for AIDS Relief (PEPFAR), through the United States Agency for International Development (USAID) under the RISE II mechanism.

Working in close partnership with the Angolan Ministry of Health and the National Institute for the Fight Against AIDS (INLS), and using our proven peer-based model, we will roll out our programme, initially in two provinces—Benguela and Lunda Sul. We will provide technical assistance to INLS to design a Mentor Mother programme that meets the need of Angolan mothers living with HIV and their families. We will also establish a handful of learning sites to ensure that Mentor Mothers link women and their families with the services they need to know their status and maintain their health and wellbeing.

This development comes as Angola commits to tackling unacceptably high rates of MTCT of HIV. UNAIDS 2017 estimates put this figure at 21%. The country is also struggling to achieve UNAIDS 90-90-90 targets. Recent UNAIDS data show that just 42% of Angolans living with HIV know their status and 27% of those are on anti-retroviral therapy.

Angola’s health system has challenges with linkage to care, poor retention, low viral load (VL) suppression rates, and a lack of VL testing availability outside of Luanda, as well as significant policy barriers to achieving national epidemic control, including limited implementation of test and treat and an outdated antiretroviral treatment (ART) regimen. We hope our work in the country will help to overcome some of these challenges.

Angolan First Lady, Her Excellency Ana Afonso Dias Lourenço, is a member of the Organization of African First Ladies for Development. m2m has been a frequent contributor and speaker with this forum. She has championed a new national campaign to end paediatric AIDS—Nascer Livre para Brilhar or Born Free to Shine. In support of this initiative, PEPFAR has prioritised MTCT in this year’s Country Operational Plan, and invited m2m to work in Angola.

We are confident that our proven model of employing women living with HIV as community health workers (known as Mentor Mothers) can make a significant contribution in the nation. In 2018, the MTCT rate among all enrolled m2m clients was just 1.3%. In South Africa, where we initiated a similar technical assistance partnership with the government between 2012 and 2017, the national rate has dipped below 5%, which is the United Nations and World Health Organization benchmark for “virtual elimination.”

We look forward to working with all of our partners in Angola, to create health, hope, and an HIV-free future for families in this nation.

A m2m Lança O Seu Projecto Em Angola

Hoje, a mothers2mothers (m2m) orgulha-se de anunciar que estamos a iniciar operações em Angola, com um mandato de ajudar a reduzir a taxa de transmissão vertical do VIH da mãe para o filho (PTV) – estimada em 2017 como sendo a segunda mais alta do mundo. A nossa presença em Angola é um feito emocionante e  estende a nossa presença para nove países da África Subsaariana.

O nosso trabalho em Angola está a ser financiado pelo Plano de Emergência do Presidente dos EUA para o Alívio da SIDA (PEPFAR), através da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), no âmbito do mecanismo RISE II.

Ao trabalhar em estreita parceria com o Ministério da Saúde de Angola e o Instituto Nacional de Luta Contra a SIDA (INLS), e ao usar o nosso comprovado modelo baseado em pares, vamos implementar o nosso programa, inicialmente em duas províncias – Benguela e Lunda Sul. Iremos dar assistência técnica ao INLS na conceção de um programa de Mãe Mentora que vá de encontro às necessidades das mães angolanas que vivem com o VIH e as suas famílias. Também vamos estabelecer um conjunto de lugares de aprendizagem para assegurar que as Mães Mentoras façam a ligação das  mulheres e as suas famílias com os serviços que elas precisam para conhecerem o seu estado e manter a sua saúde e bem-estar.

Este desenvolvimento ocorre quando Angola se compromete a combater taxas inaceitavelmente altas de PTV . As estimativas da ONUSIDA 2017 colocam esse número em 21%. O país também está a lutar para alcançar as metas globais da ONUSIDA 90-90-90. Dados recentes da ONUSIDA mostram que apenas 42% dos angolanos que vivem com VIH conhecem o seu estado e 27% deles estão em terapia anti-retroviral.

O sistema de saúde angolano tem desafios com a ligação aos cuidados, fraca retenção, baixas taxas de supressão da carga viral (CV) e falta de disponibilidade de testes de CV fora de Luanda, bem como barreiras políticas significativas para alcançar o controlo nacional da epidemia, incluindo a implementação limitada de testes e tratamentos e um regime antirretroviral (TARV) desatualizado. Esperamos que o nosso trabalho no país ajude a superar alguns destes desafios.

A Primeira Dama de Angola, Sua Excelência Ana Afonso Dias Lourenço, faz parte dos membros da Organização das Primeiras-damas de África para o Desenvolvimento (OPDAD), na qual a m2m tem sido uma contribuidora e oradora frequente. A S. Excia Ana Afonso Dias Lourenço  lançou em 2018 e apoia uma  campanha nacional para acabar com a SIDA Pediátrica – “Nascer Livre para Brilhar”. Em apoio a esta iniciativa, PEPFAR deu prioridade ao PTV no seu Plano Operacional de 2020, e convidou a m2m para trabalhar em Angola.

Estamos confiantes de que o nosso modelo comprovado de empregar mulheres que vivem com HIV como agentes comunitários de saúde (conhecidas como Mães Mentoras) pode fazer uma contribuição significativa no país. Em 2018, a taxa de PTV entre  os clientes inscritos pela m2m era de apenas 1,3%. Na África do Sul, onde iniciamos uma parceria similar de assistência técnica com o governo entre 2012 e 2017, a taxa nacional de transmissão reduziu  abaixo dos 5%, que é a referência das Nações Unidas e da Organização Mundial da Saúde para a “eliminação virtual”.

Estamos ansiosos para trabalhar com todos os nossos parceiros em Angola, para criar saúde, esperança e um futuro sem VIH para as famílias desta nação.

Back To Top
×Close search
Search